“Imagine que tem vinte anos e que lhe diagnosticaram uma doença que, quando não é tratada, provoca invariavelmente a morte no prazo de cinco anos (embora não provoque qualquer tipo de dor ou de disfunção). Existe um tratamento bastante fiável que cura a doença, mas que, como efeito secundário, causa uma amnésia [completa e irreversível], e uma alteração radical da personalidade. […] Assim sendo, se optar pelo tratamento, pode razoavelmente esperar viver mais cerca de sessenta anos [felizes], embora a vida que vá ter fique inteiramente desligada da vida que tem tido até agora. Não se lembrará de nada do seu passado e o seu carácter e os seus valores serão radicalmente alterados.” 

Este era o ponto de partida para a reflexão/ensaio da Final Nacional das Olimpíadas da Filosofia, em que o nosso aluno Miguel Almeida, da turma de Economia do 10º ano, com o seu ensaio, ficou no 8º lugar nacional .

Vale a pena ler e refletir também.